Resenha: Stolen Songs, Samantha Armstrong

23 novembro 2017

Maddison é uma sobrevivente. Uma infância instável lhe ensinou a não depender de ninguém além de si mesma, e foi exatamente assim que ela chegou onde está hoje. Com uma bolsa de estudos em uma das escolas mais prestigiadas do país, ela finalmente se estabelece em um lugar até se formar. Mas com seus pais adotivos viciados em drogas, Maddison é obrigada a roubar para sustentar a si e a seus irmãos adotivos.

Kingsley é podre de rico. Filho único, ele mora com a mãe que é dependente de álcool, um pai que não fala com ele, e seu chefe de cozinha, a única família de verdade que ele tem. Sua vida muda quando ele ouve Maddison tocando violino. Ela é esperta, sexy, não quer nada com ele, mas ele está obcecado. À medida que passam algum tempo juntos, ela começa a baixar a guarda. Ela é tudo o que ele precisa, tudo o que ele quer, e pela primeira vez, ele é capaz de contar para alguém o seu passado. As coisas estão perfeitas. Até ele arruinar tudo.

Stolen Songs é uma história profunda de cortar o coração que fala sobre esquecer o passado para se apropriar do futuro, encontrando forças em seus erros e dando tudo o que você tem para curar aqueles que você magoou.


Publicado em julho deste ano, Stolen Songs foi um achado maravilhoso, encantador e super bem-vindo. Aliás, preciso deixar registrado que as minhas melhores leituras de 2017 devem-se, em grande parte, a esses achados mágicos que tive a sorte de encontrar. Esta obra, romance de estreia da autora neozelandesa, Samantha Armstrong, não só narra uma história de amor que nasce através da música, como também pontua questões difíceis que envolvem a vida dos personagens, as quais acabam determinando suas ações e o resultado delas. 

A trama nos apresenta dois personagens com realidades completamente distintas, mas que encontram na música e no dia a dia afinidades, sonhos e sentimentos inimagináveis.

Maddison é uma jovem prestes a completar 18 anos que vive em um mesmo lar adotivo há três com seus irmãos mais novos e seus pais viciados. A falta de uma base familiar sólida e a negligência constante de Angela e Darren com seu filhos adotivos faz com que a jovem sinta-se obrigada a fazer algo para colocar comida dentro de casa e alimentar seus irmãos. Para que isso aconteça, Maddison começa a roubar. Moradora do subúrbio da cidade, ela possui uma bolsa de estudos que lhe permite frequentar uma das melhores escolas locais, e encontra, nas notas de seu violino, refúgio da árdua realidade em que vive. O sonho de Maddy é garantir uma vaga em Juilliard e proporcionar a vida que seus irmãozinhos merecem: longe da fome e violência, mas perto de muito amor. 

Kingsley aparece de maneira inesperada. Rico e jogador de lacrosse conhecido como o rei da escola, seus braços se tornam um abrigo para Maddison. Após ouvi-la praticando na sala de música e depois de muita insistência, eles finalmente começam a se entender. Para a surpresa de Kingsley, Maddy abraça seus maiores medos. Após 13 anos, o rapaz ainda vive com o peso de seu passado sobre ombros. Um ato inocente de uma criança que acabou determinando seu futuro. Sua mãe vive alcoolizada, e seu pai não liga para ele. Assim como Maddison, Kingsley também possui uma válvula de escape. Em seus dias mais difíceis, ele se entrega às drogas e é o fornecedor mais procurado pelos amigos do colégio. 

Confesso que quando iniciei a leitura fiquei um pouco confusa entre o prólogo e o primeiro capítulo, mas depois, fui começando a entender e a me adequar a escrita da autora. No decorrer da narrativa, Armstrong vai costurando a história de modo a interligar totalmente a vida desses personagens, mostrando que a maneira de agir de um pode, e vai, influenciar de alguma forma a vida do outro. 

O livro termina de um jeito que, sinceramente, não gostei muito. Não gostei porque não foi como eu queria. Mas hoje, sabendo que haverá uma continuação, fiquei bem mais tranquila. 

Por ser o romance de estreia da autora, Stolen Songs me surpreendeu de um jeito especial. Ele vai conquistar seu coração e o destruirá lindamente na mesma proporção.


***


Nós continuamos comendo. Depois de um momento, ele olha para mim. "Então, Maddy, quais são os seus sonhos?"
Eu engulo a comida. "Meus sonhos?"
"Sim, quais são os seus sonhos?"
Eu penso naquilo por um momento. Eu tenho alguns sonhos, mas eles são todos baseados em apenas um. "Ir para Juilliard e tocar violino pelo resto da minha vida."
"Gosto desse sonho. Você tocaria em uma orquestra, ou você gostaria de se apresentar sozinha?"
"Acho que gostaria de tocar em uma orquestra. E você, Kingsley? Quais são os seus sonhos?"
Ele dá de ombros. "Ainda estou no processo."
"De que?"
"Sonhar."


.
.
.

© LIVROS MINHA TERAPIA- TODOS OS DIREITOS RESERVADOS | Design e Programação por