TERAPIA NO CINEMA : Carrie, a estranha

11 dezembro 2013

Título: Carrie, a estranha
Título original: Carrie

Direção: Kimberly Peirce
Elenco: Chloë Grace Moretz, Julianne Moore, Judy Greer, Gabriella Wilde
Ano: 2013
Duração: 1h40min
Gênero: Terror
Distribuidora: Sony Pictures

Sinopse: Carrie retrata um grande desastre ocorrido na cidade americana de Chamberlain, Maine, destruída pela jovem Carietta White. Nos anos anteriores à tragédia, a adolescente foi oprimida pela sua mãe, Margaret, uma fanática religiosa. Além dos maus tratos em casa, Carrie também sofria com o abuso dos colegas de escola, que nunca compreenderam sua aparência, nem seu comportamento. Um dia, quando a jovem menstrua pela primeira, ela se desespera e acredita esta morrendo, por nunca ter conversado sobre o tema em casa. Mais uma vez, ela é ridicularizada pelas garotas do colégio. Aos poucos, ela descobre que possui estranhos poderes telecinéticos, que se manifestam durante sua festa de formatura, quando os jovens mais populares da escola humilham Carrie diante de todos.

É meio difícil comparar um filme novo e que já teve versões anteriores quando você não viu nenhuma delas. Por isso que não tenho um comparativo de medida em relação a Carrie, a Estranha e sinceramente nem sei o porque fui ver o filme, afinal detesto filme de terror, mas aqui vai a minha opinião sobre um filme que praticamente todo mundo ouviu falar e que é baseado na obra do mestre Stephan King.
Primeiramente vou falar da lindíssima Chloë Grace Moretz, gente como essa garota é bonita!  Mesmo estando na pele de uma personagem deslocada e meio descabelada ela não consegue ficar feia, bem não totalmente. Tirando partes bizarras do filme, uma das quais do nada o cabelo dela aparecia escovado e na cena seguinte voltava a ser o mafuá que era, achei a atuação dela relativamente boa. Só não me convenceu 100% porque , graças a minha amiga que foi comigo, fui lembrada de seu papel em Kick Ass e depois disso não consegui esquecer de que um dia ela foi Hit-Girl.
Quanto a Julianne Moore, achei bem convincente sua atuação como mãe fanática religiosa. Vale lembrar que seu cabelo estilo mafuá e a cara meio maluca ajudaram muito para a construção do papel. Uma coisa que adorei no filme foi ver a atriz Judy Greer, que participou de um dos meus filmes favoritos, Vestida Para Casar, que eu não via a muito tempo! Adorei poder revê-la na tela do cinema.
Em geral Carrie, a estranha foi um bom filme de terror pra mim. Como sou muito medrosa isso não poderia servir de parâmetro para aqueles que adoram essa modalidade... Mas acho que vale a pena dar uma conferida, até para aqueles que já viram as outras versões, afinal de contas comparar filmes sempre é muito bom.

por Debby Andrade
© LIVROS MINHA TERAPIA- TODOS OS DIREITOS RESERVADOS | Design e Programação por