TERAPIA NO CINEMA: Odeio o Dia dos Namorados com Debby Andrade

19 junho 2013

Título: Odeio o Dia dos Namorados
Ano: 2013
Direção: Roberto Santucci
Roteiro: Paulo Cursino
Elenco: Heloísa Perissé, Danielle Winits, Daniele Valente, Daniel Boaventura, Marcelo Saback
Duração: 1h41min
Gênero: Comédia

Distribuidora: Buena Vista













Sinopse: Débora (Heloísa Périssé) é uma publicitária que sempre privilegiou a carreira em detrimento de sua vida amorosa. Entretanto, ambas se misturam quando ela precisa trabalhar em uma importante campanha para o Dia dos Namorados cujo cliente é Heitor (Daniel Boaventura), seu ex-namorado, que foi dispensado por ela de forma humilhante. Diante desta situação, ela ainda precisa lidar com a inesperada visita do fantasma de seu amigo Gilberto (Marcelo Saback), que tenta fazer com que ela repense a vida e descubra o que as pessoas realmente pensam dela.



Nada melhor do que ver um filmezinho acompanhada da minha tia querida no dia dos namorados, afinal já que não tenho namorado nada me impede de me divertir mesmo assim! Foi nesse climinha de cinema em família que fui ver Odeio o Dia dos Namorados e eu não podia ter escolhido filme melhor!
O que eu mais gostei no filme todo é que o nome da personagem principal, interpretada pela queridíssima Heloísa Périssé que eu adoro desde Sob Nova Direção, é Débora assim como eu (única diferença é que eu tenho o H no final e ela não). Em todo esse tempo que vejo filmes, quase minha vida, não me lembro de antes ter visto um filme com uma protagonista que tivesse meu nome, só em novela mesmo e essas eu não vejo muito... Então de cara já gostei do filme, ainda mais quando vi que essa Débora tinha sérios problemas pra assumir compromissos, adoro isso em personagens de comédias românticas/somente comédias!
 O filme todo se passa em São Paulo, possui um elenco de primeira chamando a atenção pra participação especial de Danielle Winits que arrasou em seu papel e de Daniele Valente que também fez um ótimo papel como assistente de Débora. Daniel Boaventura interpreta o galã fofo do filme e consegue se sair bem em seu papel.
Trazendo músicas e roupas da década de 80 (se não me engano) me diverti vendo a adolescência de Débora e ouvindo minha tia relembrar a dela, o elemento comédia é bem desenvolvido no filme que não traz muitas reflexões profundas. Gargalhadas são garantidas, não me lembro de ter rolado nenhuma lágrima, mas com certeza recomendo Odeio o Dia dos Namorados para aqueles que realmente odeiam ou não!
P.S.: Se alguém souber de algum outro filme, nacional ou estrangeiro, com uma protagonista chamada Débora me avisem porque com certeza vou querer ver!

© LIVROS MINHA TERAPIA- TODOS OS DIREITOS RESERVADOS | Design e Programação por