COLUNA RAFFA FUSTAGNO: RESENHA DE " TUDO QUE ELA SEMPRE QUIS" + PROMO

10 dezembro 2012

Título original: All she ever wanted
Título no Brasil: Tudo que ela sempre quis
Autora : Barbara Freethy
Editora : Novo Conceito
Número de páginas: 320







 Demorei um pouco para terminar esse livro, no meio dele corri para outros que terminei antes. Sinal de que para mim a história não estava boa. Quando vi a sinopse imaginei uma coisa bem bacana tipo " Eu sei o que vocês fizeram no verão passado" mas o livro passa longe de qualquer originalidade ou de uma história que compense as 320 páginas de história.
Em uma festa da faculdade, as sempre unidas amigas denominadas "As Quatro Fantásticas": Natalie, Emily, Laura e Madison vêem suas vidas mudarem após a morte de uma delas.
Emily misteriosamente cai na cobertura da casa onde a festa está acontecendo. Na época - 10 anos atrás - a polícia investiga e dá por encerrado de que ninguém teve culpa na morte de Emily. Todos aceitam que ela caiu ou se jogou. Todos exceto seus pais que acreditam que alguém tenha empurrado Emily.
A história já começa nos 10 anos a frente da morte dela, mostrando Natalie a melhor amiga com quem ela dividia o quarto já sendo uma médica bem sucedida e seu dia a dia no hospital que trabalha. Tudo vai bem na vida dela - mesmo ela sendo extremamente solitária - até que um livro escrito por alguém chamado Malone ( ou que finge ter esse nome) conta exatamente os mesmos fatos da vida de Emily, de sua trágica morte mas culpando o personagem de Natalie.
O que no início Natalie não dá muita atenção depois se transforma em uma dor de cabeça que põe em risco até mesmo seu emprego já que o livro se torna um best seller e todos ficam cientes da história.
Nesse meio tempo todos de seu passado aparecerão, alguns intrigados com o livro, outros querendo descobrir a verdade e até mesmo desconfiando de Natalie. Cole - irmão de Emily - é o antigo namorado abandonado de Natalie que vai ajudá-la a provar que é inocente, coisa que nem mesmo os pais dele acreditam.
Eles se unirão a Laura - que casou com Drew outro personagem misterioso e que estudava com elas na época - que mãe de família e casada agora só tem a preocupação de ficar longe de escândalos.
Madison sempre preocupada em reatar com Dylan aproveita o mistério para grudar nele mais interessada em um revival do que na morte da amiga.
O problema é que o tal escritor foge deles feito o diabo da cruz, toda vez que aparecem ele inventa uma desculpa e some do lugar da tarde de autógrafos.
Iremos descobrir durante a lida que Emily não era tão inocente quanto aparentava, que ela podia não estar sozinha e ainda que havima vendido drogas para ela.
O que não me prendeu muito nesse livro foi que para mim o tema de um amigo morto e um dos amigos ser o assassino já virou mesmice, o que poderia prender a autora não conseguiu porque a história vira um grande motivo para servir de motivo para todos se reencontrarem e serem felizes para sempre..talvez esse seja o motivo do título: " Tudo que ela sempre quis". Cole e Natalie juntos acaba sendo boa parte dos encontros e desencontros de uma história de amor mal resolvida deixando a morte da amiga de uma e irmã do outro em segundo plano.
O final então é sofrível, a pessoa que teve culpa - não vou falar homem ou mulher senão perde a graça - é de tipo picolé de chuchu...
Uma pena porque a editora fez um belo trabalho na capa, na divulgação do livro - fiquei doida para ler - no kit enviado para os blogs parceiros... mas a história é fraca.


Se interessou pela história? Quer ganhar o kit que a parceira Novo Conceito mandou para sorteamos?

Então é bem simples:
1) Ser seguidor do LMT público no GFC e no twitter
2) Seguir a @novo_conceito
3) Twittar pelo menos uma vez a frase : " Eu quero saber com o @lvrminhaterapia e a @novo_conceito tudo que ela sempre quis";
4) Comentar nesse post 

Pronto, já estará participando do sorteio do kit abaixo que será realizado 20 dias após a postagem dessa resenha :)

Beijos e boa sorte!!!
© LIVROS MINHA TERAPIA- TODOS OS DIREITOS RESERVADOS | Design e Programação por