COLUNA RAFFA FUSTAGNO - RESENHA DE MELANCIA

16 junho 2012

Título original: Watermelon
Título no Brasil: Melancia
Autora: Marian Kayes
Editora: Best Bolso
Número de páginas: 489












Quando não gostamos de um livro fica difícil resenhá-lo e sinceramente desconheço o que farei aqui com outro nome que não seja o de crítica.
Nunca havia lido Marian Kayes, apesar de ter alguns livros dela e inúmeras amigas falando muito bem da autora e de suas obras apenas comecei a ler  o Melancia - na versão pocket - durante o voo de ida em minha viagem de férias. Apesar das 10 horas de voo da ida e mais 10 de volta não o terminei, não só por causa da turbulência que peguei mas sim e principalmente porque esse livro não me encantou em nada, não me simpatizei pela protagonista e achei que o livro gira demais para chegar a lugar nenhum.
O que pensar de um livro que começa forte, afinal, Claire - a protagonista - é abandonada pelo marido assim que dá a luz a filha do casal. Para quem já levou um pé na bunda e principalmente para quem já foi traída a raiva que sentimos de James ao ler ele a abandonando e pouco se importando com a filha deles é imediato.
O que tinha tudo para ser uma história fantástica peca em todo o resto, porque para o público feminino ver uma mulher em seu momento mais frágil no qual todas acreditamos que precisamos do marido sendo traída e abandonada já é motivo para best seller e só posso acreditar que tenha sido isso, uma identificação com essa parte que tenha feito desse livro um campeão de vendas.
Durante todas as páginas seguintes o que vemos é alguém que sente pena de si mesma, longe de mim julgar se fosse comigo porque também me acabaria em lágrimas e certamente ia querer morrer mas Claire que sai de Londres para voltar para casa dos pais en Dublin reage de forma um tanto ridícula para mim. Não senti qualquer amor dela de adulto pela filha, todo o livro ela acha a criança fofa e diz ter sorte mas naõ me pareceu em  nada com  maturidade de quem esquece o mundo macho x fêmea para viver pelo menos por um instante a relação linda e de afeto que é a de uma mãe e de uma filha.
Seus pais naõ são os mais comuns também, achei o pai dela chato mas isso muitos pais o são, a mãe me pareceu mais centrada mas sinceramente a irmã dela era ainda mais insuportável!
O óbvio acontece e ela que tem 29 anos na história se apaixona pelo amigo da irmã mais nova de 24 anos, Adam.
Claro que a reciprocidade bate a porta e o carinha também se interessa por ela. Durante esse tempo, a autora enrola, enrola muito, Claire viva beberrona, Adam é educado mas não diz a que veio, Kate continua fazendo seu papel de bebê fofo e por sorte dela quase não chora e ela conta com a ajuda da mãe para trocar a criança e ficar com ela quando dá na telha que ela quer sair ou bancar a teenager abandonada pelas ruas de Dublin.
Do outro lado torci por uma reviravolta com Adam, e quando ela realmente acontece dura tão pouco que nem deu para vibrar porque a autora ressurge James das cinzas querendo voltar com ela.
Nada mais normal que homens crápulas depois de largarem suas mulheres direitas aprendam a dar valor quando a amante dá as caras.
O que não aceitei foram as falas...foi a pobreza do relato, ela volta para ele como se ele tivesse chegado atrasado no casamento daquela prima de segundo grau . E o ódio que tava aqui foi parar aonde?
Não vou contar o final até porque já soltei spoiler demais mas nada é legal, não consegui torcer pela protagonista porque ela é ridiculamente fraca até na hora de fazer o que se espera de uma mulher que dá a volta por cima: esnobar o ex marido.
Não entendi como tanta gente gosta desse livro e fiquei com pé atrás para ler os outros.Claire que se acha uma Melancia - daí o título do livro- com os quilos a mais da gravidez me passou a impressão de ser outra fruta: uma banana!
© LIVROS MINHA TERAPIA- TODOS OS DIREITOS RESERVADOS | Design e Programação por